Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 33 Número 11
Novembro 2020

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Diferenças farmacodinâmicas e farmacocinéticas entre os SSRI: implicações na prática clínica.

19- Abordagem diagnóstica das neuropatias periféricas.

20- Ectopia pancreática.

 
   

Will the pandemic permanently alter scientific publishing?

The push for rapid and open publishing could take off — although financial pressures lie ahead: part 4 in a series on science after the pandemic.

The COVID-19 crisis has underlined just how fast and open science publishing can be — when scientists want it that way. Researchers working on the pandemic are sharing preliminary results on preprint servers and institutional websites at unprecedented rates, embracing the kind of early, public sharing that physicists and mathematicians have  practised for decades. Journals have whisked manuscripts through to formal publication in record time, aided by researchers who have rapidly peer-reviewed the studies. And dozens of publishers and journals, including Elsevier, Springer Nature and the New England Journal of Medicine, have made coronavirus research — new and old — free to read. 

Leia o artigo completo aqui (apenas em inglês).